foradocasulo

…………………………………………………

Fala Enzito!!!!

Enzo já fala pelos cotovelos, muito bom de ouvir! E como toda criança pequena comete pequenos erros graciosos. Sei que não devemos incentivar esses erros e não o faço, mas que é fofo, isso ninguém pode negar.  Algumas palavrinhas que filhote insiste em falar errado e que acho fofíssimo:

– Curigir = Dirigir

– Logo = Lobo (se referindo ao Lobo Mau)

– Catacepis = Capacete, que ele tem que usar quando vai andar de bike

– Ceceiro = Travesseiro (seu objeto âncora, grude total)

Aprendi muito com a madrinha do Enzo, que é fonoaudióloga, mesmo antes de pensar em engravidar. Ela sempre me disse que um dos maiores erros dos pais neste fase é mostrar para a criança que acha lindo o jeito dela falar errado, incentivando a fala incorreta. O caminho inverso também pode causar transtornos, isto é, corrigir a todo momento, pois a criança pode traumatizar. O caminho certo é a naturalidade. Se Enzo diz que quer “curigir” o carro, dizemos: “você vai dirigir o carro do papai. É claro que uma vez ou outra dizemos que está errado e que o jeito certo é “dirigir” por exemplo, mas nunca em tom de bronca ou desaprovação.

Também evitamos deixar de usar palavras que falamos no dia a dia para facilitar a vida dele. Marido até complica um pouco as vezes, só para sacanear, mas não é que ele entende e as vezes até usa umas palavras complicadas! Não somos muito fãs de tatibitates também, apenas algumas poucas palavras foram usadas nestes 3 anos, como tetê (mamadeira) e pepê (para chupeta). Também pedimos que ele sempre tire a chupeta para dizer algo, uma tática para que ele fique menos com a chupeta, mas que também serve para ajudar na pronúncia correta das palavras.

Sempre conversamos muito com ele, estimulando a fala. Mesmo quando era um bebê de dias, já falávamos com ele, como se estivesse compreendendo tudo. E uma das dicas da pediatra foi não aceitar linguagens gestuais, se ele apontava algo, perguntávamos o que ele queria. As vezes dizíamos a palavra correta, as vezes fingíamos não entender com uma ou duas alternativas, para ver se ele dizia. Claro que não forçamos a barra, afinal ele poderia ficar nervoso por não se comunicar, mas dar uma leve dificultada ajuda a estimular o interesse pela comunicação verbal.

Também é bom evitar a nossa pressa em tentar adivinhar o que ele está querendo dizer, esperar com calma ele concluir o raciocínio é sempre bom. Agora com quase 3 anos ele faz umas graças de falar meio enrolado, igual bebê, todo cheio de manha. É só falarmos na boa para ele parar de falar igual neném, que ele volta a falar normal. Tem dado certo por aqui!

 

 

Deixe um comentário »