foradocasulo

…………………………………………………

Virose

Mesmo não tendo amamentado o Enzo da maneira que gostaria (estou devendo um post sobre isso), filhote sempre foi muito saudável e resistente. Raramente fica doente e sempre tudo muito leve, thanks God! Eis que terça passada, de madrugada, acordo com um grito e choro do pequeno. Ao chegar ao quarto me deparo com ele todo vomitado, tadinho. Eu, ainda meio zonza do susto não sabia o que fazer e Maridão como sempre tomou a dianteira e já pegou o moleque, correu para o banheiro para limpá-lo com um banho relaxante de água morna. E eu fiquei com a tarefa de limpar tudo. People, na hora não teve graça, mas lembrando agora, eu parecia uma barata tonta.

É que sou muito fresca sensível com relação a isso. Passo mal de andar de carona em viagens, acompanho caso alguém passe mal do meu lado…não é porque a sujeira era do meu filho que eu iria fazer tudo como se estivesse trocando a roupa de cama normalmente né?! Bom, acho que demorei uns 30 minutos para tirar a roupa de cama, protetores de berço e colocar tudo limpinho. Mesmo sentindo tudo que estava e até o que não estava no meu estômago subir, fui brava e consegui! Afinal, imagina a cena de Maridão com a criança no chuveiro, as 2 da manhã e eu entrando no banheiro e dizendo…viu, larga ele aí e vai limpar a sujeira….no way!

Passou pela minha cabeça colocar o Enzo na minha cama, entre Maridão e eu. Assim poderíamos acompanhar o sono dele e ver se algo mais aconteceria. Mas não, colocamos ele no berço novamente e logo em seguida ele teve uma diarréia brava, mais trocas de roupas, mas desta vez não sujou o berço e eu também não sou fresca sensível quanto a isso. Eis que Jacaré me pede leitinho e eu não dei claro! Nunca se dá leite para alguém que está com estômago ruim, certo?! Peguei um suco de caixinha, misturei bastante água e dei. Ele tomou um pouco e voltou a dormir. Lá pelas 5 da manhã, mais diarréia das bravas, de sujar até o pescoço. Pediu leitinho de novo mas logo voltou a dormir. Ele estava todo molinho, oh dó!!!

As 7 da manhã liguei para a Dra. Pediatra que já me avisou que esse era um quadro de virose e que poderia dar febre ou não. Mas que ele deveria ficar em casa tomando soro via oral, remédio para o estômago e muito líquido, comidas leves, essas coisas. Enzo quis sair da cama e ao descer me pediu pão. Apesar da Dra. Pediatra ter dito para eu não dar nada, dar o remédio do estômago e só dar algo para ele comer ou beber 1 hora após o remédio, fiquei com dó do menino me pedindo comida e dei uma fatia de pão francês sem nada para ele. Foram 2 mordidas e tudo voltou pra fora daquele corpinho já magrelo. Erro meu! Porque fui desobedecer a Dra. Pediatra?

Dei o remédio e a luta foi segurar a dor no coração de ver seu filho pedindo suco, pão, uva, etc e não poder dar nada por 1 hora. Eis que passado o tempo para o remédio fazer efeito dei bolacha água e sal e soro no copinho, ele adorou e tomou tudo. Comprei o soro sabor guaraná que a Dra. Pediatra disse ser o com gosto melhorzinho. Filhote passou o dia largado no sofá vendo Bob Esponja (ela adora esse desenho chato), mas não vomitou mais. Segundo a Dra. Pediatra (que é ótima diga-se de passagem), nestes casos a primeira providência é conter os vômitos. A diarréia contorna-se depois, mas no caso do Enzo foi tudo contornado logo depois da primeira dose do remedinho (que ele tomou por 2 dias, 3x ao dia) e pelo soro. Leite, só no final do dia, quando tivemos certeza de que estômago e intestino estavam normais.

Foi nossa primeira experiência com virose infantil e o que posso tirar de ensinamento é que nunca se dá leite se o estômago estiver ruim, se tiver um vidro de soro em casa, já pode dar como suco. Vi que a validade é boa, então dá para comprar um vidro e deixar fechado em casa, assim já tem a mão se precisar. Para o instestino frutas boas são maçã e banana maçã, mas pera também pode ser dada. Como o estômago estava ruim é bom dar tudo sem casca e se possível amassadinha. Sopinhas leves feitas com legumes variados e carne, mas ao dar para a criança, tire a carne e amasse ou processe os legumes. Muito amor de mãe e pai e descanso, nada de escola.

Outra coisa que a Dra. Pediatra ensinou para quando a criança está com diarréia, mas com estômago bom, é dar leite feito com água de arroz. Você pega um xícara de arroz lavado e escorrido e coloca para cozinhar em cerca de 1 litro de água. Fique de olho e assim que o arroz estiver macio, escorra a água em um recipiente. Use esta água para fazer o leite nas mesmas proporções que está acostumada. O gosto é adocicado, bom até. Mas escorra a água logo que tirar do fogo, senão a água seca (fiz isso na primeira vez!). Se sobrar água, guarde em potes fechado na geladeira, dura 1 dia.

Ah, e minha sugestão é não colocar a criança no meio da cama de vocês, pois se ela vomitar de novo, será pior para se organizarem já que certamente se sujarão também. Aconteceu com um casal amigo meu. A Julinha estava doentinha e eles colocaram ela no meio dos dois para ficar mais fácil de acompanhar, mas no meio da noite acordaram com ela vomitando e os três ficaram todos sujos e que nem baratas tontas.

Bom é isso. Enzo está ótimo agora e passamos por mais esta! Vou me juntar ao meus dois amores e dormir um pouco, porque amanhã o dia será pesado! Boa noite!!!!

Anúncios
Deixe um comentário »

Crianças Desaparecidas

Sábado passado comecei meu MBA, aulas quinzenais, das 8 as 17h30. Portanto passei o dia todo no shopping, onde fica a instituição que escolhi. No horário do almoço me deparei com uns absurdos que me irritaram profundamente. Sentamos em uma mesa no meio da praça de alimentação e ao lado havia uma mesa vaga. Eis que uma mãe deixou sua filha sentada ali – a menina devia ter no máximo uns 4 anos – e foi buscar a comida. Essa mãe sumiu da minha visão e a filha lá, sozinha sentada na mesa. Fácil, fácil de um mal intensionado levar a menina. Um aburdo!!!

Depois fomos ao banheiro e mais crianças sem os pais. O pai deixou a menina – que tinha no máximo uns 6 anos – entrar sozinha no banheiro e ficou na porta, o shopping estava lotada por ser um final de semana antes do dia das mães. Okay, okay, ele estava na porta do banheiro e fica difícil de alguém sair com a menina sem ele perceber, mas pode acontecer no meio de uma muvuca, certo? A tarde, na porta do banheiro de novo, duas crianças – um pouco maiores de 6 anos – paradas esperando um pai ou uma mãe que devia ter entrado sozinho/a no banheiro. Mais chances para o azar.

Será que estou sendo tolerência zero? Há alguns meses fui almoçar no shopping com mais três colegas do trabalho e em um dos corredores havia uma criança chorando porque estava perdida. Eu o peguei pela mão e disse que o levaria até a mãe dele – o menino devia ter uns 5 anos ou um pouco mais – e não sabia responder nenhuma pergunta (nome da mãe, onde a viu pela última vez, etc), talvez pelo nervosismo. Mas foi andando comigo sem problemas, daí aparece a mãe, toda tranquila, rindo do desespero da criança. Será que estou sendo crítica demais??????

Os casos de crianças desaparecidas no Brasil (e porque não dizer no mundo) é bem maior do que se imagina. Li algo em torno de 3 mil crianças no primeiro semestre de 2011 só nas regiões sul e sudeste.E pelo que andei vendo no shopping da cidade, muitas situações poderiam ter sido evitadas se os pais tivessem mais cuidado. Não quero aqui dizer que em todos os casos a culpa é de quem está com a criança, pois tenho certeza que não há a intenção de se perder um filho, mas que há muitos casos de de negligência, isso é fato. Eu morro de medo de perder o Enzo e por isso tenho excesso de zelo, mesmo ele estando em meu campo de visão, preciso estar com as mãos perto dele, para segurá-lo a qualquer momento. E fico indignada com situações como a que descrevi acima.

Algumas regrinhas que meu pai seguia conosco e que tento seguir com o Enzo:

– A criança deve estar sempre no seu campo de visão; se decidiu levá-la aos shopping ou qualquer área pública, o foco é ela e não as compras, o vestido ou o sapato em promoção da vitrine.

– De preferência deixe um cartão preso na roupa da criança com nome, endereço e telefone para contato.

– Quando seu filho tiver idade para compreender e dialogar, ensine que ao notar que se perdeu ele deverá permanecer parado no local, pois você irá voltar e encontrá-lo. Se ele ficar andando tentando te encontrar, pode ficar mais difícil. 

– Caso ele veja algum segurança do shopping, pedir ajuda mostrando o cartãozinho com os dados para contato dos pais, pois sempre leve em consideração que por maior que ele seja, pode estar em pânico e não conseguir falar nada.

Um abraço!

 

 

Deixe um comentário »

Estréia no Pronto Atendimento

Por sorte filhote tem a Dra. Pediatra que nos atende a qualquer dia e horário e por isso nunca precisei levá-lo ao hospital por um febrinha ou tosse. Mas hoje o susto me fez correr com ele sem mesmo ligar para a Dra. Estávamos nos preparando para irmos a casa do meu sogro para o almoço e eis que meu pequeno inconsequente pula do sofá em direção a mesa de centro, melhor, a quina da mesa de centro. Bateu a lateral da cabeça (perto do supercilho) e fez um corte pequeno, mas essa região é tão irrigada que sangrou bastante. Passei um gelo e sem limpar, sem ver a profundidade, sem ligar para a Dra., sem pensar o enfiei no carro e segui para o hospital.

Por sorte foi um corte superficial, uma boa limpeza e curativo foram suficientes. Mas claro, por três setores do hospital para ser liberada. Agora filhote dorme tranquilo, mas está em observação. Fiz um bolinho de chocolate, que ele adora, para o café da tarde. Programação de hoje? Mimá-lo muiiiito! E essa foi a estréia dele em um pronto antendimento! Espero não ter mais sustos como esse tão cedo. Alguém conhece uma empresa que faça minha casa virar um castelo inflável?

Bjo e bom domingo!

Deixe um comentário »